segunda-feira, 30 de junho de 2014

Merenda escolar tem 32% de investimentos voltados para agricultura familiar

O Estado do Rio Grande do Norte conseguiu ultrapassar em 2013 a marca de 30% dos recursos da alimentação escolar usados para aquisição de produtos da agricultura familiar. Foram 32%, segundo informações do governo do Estado. A meta, porém, é chegar a 70%. 

Para isso, o governo desenvolve, com apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), pesquisas para mapear a aptidão agrícola dos solos da região e a oferta existente de produtos da agricultura familiar. “Os agricultores não conhecem a lei. Estamos tentando dar condições para que eles possam entregar para a alimentação escolar”, conta a chefe de gabinete da Secretaria de Educação do Estado, Yragaucy Araújo, referindo-se à Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. O texto garante que, no mínimo, 30% dos repasses do FNDE sejam investidos na aquisição de produtos da agricultura familiar
Hortaliças, frutas, carne de bode e de ovelha estão entre os produtos entregues por agricultores familiares às escolas, segundo Maria Luíza de Sousa Maia, uma das dez nutricionistas da Secretaria da Educação do Estado. Segundo ela, a maior dificuldade para a ampliação das aquisições da agricultura familiar é o enquadramento dos produtores nas exigências sanitárias. 

O foco na aquisição de produtos da agricultura familiar é parte de um esforço do governo do Estado para melhorar a alimentação escolar oferecida aos alunos da rede pública. Esse trabalho inclui a contratação de nutricionistas e de estudantes de nutrição, que atuam diretamente nas escolas, acompanhando o preparo das refeições e a aceitabilidade dos cardápios. 


Também foi elaborada uma cartilha de alimentação saudável e foram realizadas mais de 400 entrevistas com alunos, pais, professores, diretores e equipe pedagógica, para avaliar a prestação do serviço. Mais merendeiras foram contratadas e capacitadas. “Hoje, atuamos como preconiza o FNDE e melhoramos a segurança alimentar nas escolas”, avalia Maria Luíza. 

De acordo com a responsável técnica pela alimentação escolar no estado, Watsana Kleiba de Oliveira Franklin, a regionalização da gestão da merenda também foi importante para garantir os avanços. “O Estado conta hoje com oito diretorias regionais, oito polos, com pelo menos uma nutricionista em cada um deles. Esta equipe orienta o trabalho e faz o monitoramento”, conta. 

A equipe conseguiu, ainda, estabelecer cardápios para alunos com necessidades específicas ou intolerâncias, de acordo com a nutricionista Sankya Silva Saraiva.“Temos cardápios específicos para aqueles que têm colesterol alto, diabetes, intolerância a glúten”, diz.

A diretora da escola Clara Camarão, em Natal, Rosângela Maria de Lima Filgueira, é testemunha das melhorias registradas na alimentação escolar no estado. “Com recursos repassados pelo Programa Dinheiro Direto na Escola, adquirimos balcão térmico, louça de vidro, talheres em aço inoxidável”, conta. “Agora, com as aquisições da agricultura familiar, a alimentação ficou ainda mais saudável, mais nutritiva”, diz. 

A escola tem 868 alunos do primeiro ao quinto ano, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA). “Os programas executados pelo FNDE melhoraram consideravelmente as condições de ensino. Esta escola não tinha nada. Hoje é uma das mais equipadas. Tudo o que o professor precisa ele tem. Temos aparelhos multimídia, Datashow, todas as salas têm aparelho de som, tudo com recursos do FNDE”, conta a diretora. 

FNDE realiza série de reportagens sobre ações desenvolvidas no RN


Ações educacionais de sucesso realizadas pela Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do RN estão sendo observadas de perto pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).  Neste mês, o Coordenador de Comunicação do FNDE, Warner Bento Filho, esteve no Rio Grande do Norte visitando escolas e acompanhando os programas executados no âmbito da Diretoria de Ações Educacionais – DIRAE, (PNAE, PNLD, PNBE e PNATE). O intuito da visita é a concepção de uma série de reportagens sobre a aplicação de recursos do FNDE no Estado.

A finalidade da visita é coletar material para uma série de reportagens que serão publicadas nos portais do Ministério da Educação e FNDE e também divulgadas pela imprensa de todo país, através da Agência Brasil.


Segundo Warner Filho, o objetivo do FNDE é "divulgar as boas práticas desenvolvidas, através dos programas executados com recursos do FNDE e mostrar como isso impacta, não apenas no cotidiano da comunidade escolar, mas de toda sociedade". Com a série de reportagens, o FNDE espera que os exemplos apresentados  possam servir de modelo e inspiração para outros estados e municípios brasileiros.  
O RN foi um dos cinco estados brasileiros escolhidos pelo FNDE por apresentar bons resultados nos serviços oferecidos pelos respectivos programas, fazendo valer, de forma positiva, os investimentos realizados pelas esferas estadual e nacional.


O repórter visitou a Escola Estadual Potiguassu, no Bairro do Igapó, em Natal, onde conheceu  o trabalho de leitura realizado na Sala de Leitura daquela unidade de ensino. Além de observar o acervo literário da escola, o jornalista entrevistou professores e alunos e, ainda, conferiu de perto  uma roda de leitura realizada pela professora Dorinha Timóteo que coordena os projetos de leitura naquela instituição. 

Para conhecer as atividades realizadas no Estado, os técnicos pedagógicos da secretaria fizeram um relato do trabalho realizado pela SEEC/RN. A coordenadora dos Programas do Leitura no estado, Erileide Rocha, expôs sobre o trabalho de remanejamento de livros didáticos e de dinamização e organização de bibliotecas que está sendo desenvolvido em todo estado.



O Coordenador dos Transportes Escolares, Pedro Fernandes, destacou a aquisição dos ônibus escolares do Governo Federal  que vem extinguindo o uso dos carros pau-de-arara para transportar os estudantes tanto da rede estadual como das redes municipais de ensino. Outro ponto levantado por Pedro Fernandes foi o importante trabalho de orientação que vem sendo feito junto aos gestores municipais com relação á segurança no transporte escolar que vem surtindo mudanças significativas na qualidade do serviço oferecido aos alunos potiguares.

A nutricionista Maria Luíza também fez um breve relato acerca do trabalho desenvolvido pela Programa Alimentação Escolar no estado. Dentre as diversas ações realizadas, ela destacou o uso de 32% dos recursos da Alimentação Escolar que estão beneficiando a agricultura familiar do RN, valorizando, assim, os produtos regionais tanto pelo valor nutricional que estes possuem, quanto pela importância cultural que eles apresentam. Outro ponto que foi destacado pela nutricionista foi a criação de uma cartilha educativa que está sendo elaborada com orientações acerca da importância de se criar hábitos saudáveis de alimentação, que deverão ser distribuídas em breve nas escolas da rede estadual de ensino. 

A série de reportagens deve ser publicada no começo de julho, nos portais do Ministério da Educação e FNDE e também divulgadas pela imprensa de todo país, através da Agência Brasil.