terça-feira, 25 de março de 2014

Orientação para o Plano de Reposição dos Conteúdos

Com o objetivo de definir critérios para elaboração e acompanhamento da execução de um Plano de Reposição de Conteúdos, a Secretaria de Estado da Educação criou uma Comissão de Acompanhamento e estabeleceu as seguintes orientações:

Para as escolas que tiveram suas atividades paralisadas parcialmente, devido a greve, afetando apenas determinadas disciplinas, sem comprometer os dias letivos, os professores deverão apresentar um Plano de Trabalho que contemple os conteúdos que deixaram de ser ministrados no período de paralisação. Nesse caso, a reposição deverá acontecer preferencialmente por meio do acréscimo de um sexto horário ou no contraturno;

Para as escolas que tiveram turnos inteiramente paralisados ou que permaneceram totalmente fechadas, a direção deverá elaborar um novo calendário letivo para a unidade, com foco no conteúdo que deveria ter sido ministrado e nas competências básicas que o aluno deveria conhecer no período. Devem ser cumpridos os 200 dias letivos, respeitados os pontos facultativos decretados pelo Governo do Estado;

Sugere-se para o Ensino Fundamental (do 6º ao 9º ano) e para o Ensino Médio, a elaboração de um Projeto Interdisciplinar por área de conhecimento;

Nos dois casos, de paralisações parciais ou totais, o Plano de Reposição deverá ser encaminhado pela direção da escola para a Diretoria Regional de Educação de sua circunscrição, contendo objetivo, conteúdos e o período a ser executado.

As atividades de reposição serão previamente avaliadas pela Comissão de Acompanhamento e, uma vez aprovadas, serão autorizadas para a sua execução;

Ressalta-se que a Comissão de Acompanhamento só aceitará o Plano de Trabalho ou Projeto com a assinaturas da Direção da Escola, Coordenação Pedagógica e do Presidente do Conselho Escolar.