sexta-feira, 14 de março de 2014

Minoria grevista programa mais um ataque à Secretaria de Educação

 A Secretaria de Estado da Educação foi informada de que está sendo programada, para a próxima segunda-feira (16), mais uma ação de agressão à SEEC e à governadoria.  Diante disso, consideramos que:
- Atitudes como essas põem em risco a integridade física e moral  dos servidores lotados na secretariaSEEC;

- Essas agressões, além de danosas, maculam a imagem da Educação do nosso Estado;

- O governo concedeu aos professores da rede estadual de ensino um ganho real de 91,5% de reajuste salarial para ativos e aposentados nesses três anos;

- A política de valorização dos professores possibilitou que vários direitos represados fossem concebidos como: piso salarial, 10 horas pagas para atividades pedagógicas voltadas para a Educação em tempo integral, quinquênios, promoções verticais, progressão horizontal, aposentadorias, licenças, entre outras vantagens;

- Foram encaminhados três importantes projetos para Assembleia Legislativa e aprovados, entre eles o que reajusta o valor da gratificação dos diretores e vice-diretores das escolas, chegando a dobrar, em alguns portes, o valor do benefício; e o projeto que concede uma letra aos professores e especialistas em Educação, sem a necessidade de avaliação, garantindo mais 5% de reajuste no salário.

- Outros dois projetos tramitam para serem submetidos ao Legislativo, entre eles o que reajusta o valor da gratificação dos Diretores Regionais de Educação – DIRED, e dos Diretores Regionais de Alimentação Escolar – DRAE, além do projeto que altera o artigo 45 da Lei do Plano de Cargos do Magistério, garantindo mais vantagens para os professores que evoluem na carreira;

- A população usuária do sistema público de educação está precisando de atitudes que gerem RESULTADOS. Na contramão disso, o descaso da minoria grevista interfere no direito do estudante ter assegurado os conteúdos curriculares do ano letivo, fato que pode prejudicar seus planos de continuidade do estudo;

- A unidade escolar e, principalmente, os professores perdem com esse tipo de atitude, uma vez que muitos estudantes abandonam a escola pela descontinuidade das aulas.

Diante do exposto, destacamos que a intolerância política e partidária tem sido a marca dessa minoria que, ao não ter mais uma pauta de reivindicações pertinentes, hoje esvaziada pela reposição dos direitos concedidos neste governo, não consegue redefinir uma nova postura de educadores.

O nosso país está mergulhado numa onda de violência social, em grande medida, porque a educação pública falhou. Nesse sentido, por que agravar, ainda mais, essa situação?

A equipe técnica da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte está se esforçando, ao máximo, para realizar uma gestão pautada no respeito, na honestidade, nos resultados e no compromisso com os usuários desta rede de ensino. Assim, por meio desta nota, pedimos o apoio de toda a população e das autoridades deste Estado para que não permitamos que essa minoria continue agredindo e tentando ocupar as instalações da SEEC.

Essas táticas desrespeitosas não podem ser toleradas e utilizadas, justamente pela categoria que deve dar um bom exemplo e responsabilizar-se pela formação das futuras gerações apoiada em valores, respeito e legalidade.

Destacamos que recebemos inúmeras vezes os representantes da categoria e eles acompanham todo o Projeto de Correção de Rumo da rede estadual.

Caso as ameaças e agressões continuem e permaneçamos reféns e vulneráveis à saga dessa minoria,  tomaremos todas as medidas cabíveis para denunciar e punir esses atos de vandalismo e desrespeito, com o objetivo de preservar o direito daquele que mais precisa da educação: o estudante. Nesse tipo de ação leviana, ninguém sai ganhando: o prejuízo é para a Educação como um todo.


Natal, 14 de março de 2014.

Secretaria de Estado da Educação.