terça-feira, 12 de novembro de 2013

Produção do Caldeirão do Huck conhece projeto de alunos do estado

A produção do programa Caldeirão do Huck, da TV Globo, esteve na zona rural de Apodi, na região Oeste do Rio Grande do Norte, para conhecer de perto a história dos alunos da Escola Estadual Professora Zenilda Gama, que desenvolveram um revestimento a base de cera de abelha, capaz de dar mais durabilidade aos frutos. A previsão é que as imagens sejam levadas ao ar no quadro Jovens Inventores, até o final do ano.

Orientado pela professora Antônia Gidelia da Costa, o trabalho dos estudantes Antonio Torres Geracino, Francisco Jociel Fernandes e Huguenberg de Oliveira Santos, conquistou no início do ano o primeiro lugar nas categorias Empreendedorismo e Ciências Agrárias, da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia, da USP. Os alunos potiguares também foram convidados para publicar a pesquisa na revista Inciência e para apresentá-la na Feira Nordestina de Ciência e Tecnologia.

Durante o período de desenvolvimento da pesquisa, ocorrido em 2012, os estudantes conseguiram comprovar que o uso da cera de abelha, como revestimento, proporciona um prolongamento na vida útil dos frutos pós-colheita.

A descoberta dos alunos da Escola Estadual Zenilda Gama é fruto de projetos de incentivo à Iniciação Científica, desenvolvidos pela Secretaria de Estado da Educação, em parceria com a Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA, e com a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN.

Além disso, o Governo do Estado tem apoiado a participação de projetos como esse, em feiras nacionais e internacionais, fornecendo passagens e ajuda de custo para hospedagem e alimentação. Ainda no primeiro semestre, os estudantes de Apodi foram homenageados pela governadora Rosalba Ciarlini e pela secretária Betania Ramalho, em cerimônia realizada após a conquista na FEBRACE.

Direito do Trabalho é tema de apresentações de escolas no TAM

Alunos de nove escolas estaduais da capital apresentam os trabalhos finais do programa Trabalho, Justiça e Cidadania 2013, a partir das 14h desta quarta-feira (13), no Teatro Alberto Maranhão. O evento se dá após meses de aulas e palestras com juízes, procuradores, advogados e servidores, sobre temas relativos ao Direito do Trabalho.
Apresentações reuniram 600 estudantes em 2012 - Foto Márlio Forte

Para uma das coordenadoras do programa, a juíza do trabalho Simone Jalil, o PTJC é um instrumento de cidadania que aproxima o judiciário do cidadão. “Levar o conhecimento do direito do trabalho para os futuros trabalhadores é muito importante. O resultado do conhecimento adquirido ao logo de um ano pode ser visto agora e isso nos emociona, pois os alunos estão mais conscientes dos seus direitos e deveres para ingressarem no mercado de trabalho."

Juíza do Trabalho, Simone Jalil
 
A opinião é compartilhada pela secretária de Estado da Educação, professora Betania Ramalho. "Eles se envolvem, participam , analisam o que aprendem de novo e são muito dedicados. É uma satisfação chegar à apresentação final e ver os alunos com mais conhecimento e conscientes de seus direitos."
Desenvolvidas em parceria da Secretaria de Estado da Educação com a Associação dos Magistrados do Trabalho – AMATRA, Procuradoria Regional do Trabalho, OAB e Associação dos Advogados Trabalhistas – ANATRA, as atividades envolveram jovens das escolas Josefa Sampaio, Winston Churchill, Anísio Teixeira, Atheneu, 15 de outubro, Walfredo Gurgel, Floriano Cavalcante, Ana Júlia e Francisco Ivo.

Por meio do Programa, magistrados, membros do Ministério Público, advogados, professores de Direito e servidores semeiam noções básicas de direitos fundamentais e de Direito do Trabalho, Direito da Criança e do Adolescente, Direito do Consumidor, Direito Penal, Ética e Cidadania nas escolas.

Através de palestras, cursos, debates, distribuição de cartilhas e guias de assistência jurídica gratuita, o programa tem permitido que os magistrados do trabalho se aproximem tanto das crianças e jovens estudantes, bem como dos profissionais de educação, e se torna ainda mais abrangente com a visita dos alunos ao Poder Judiciário e a simulação de audiências e julgamento, instrumentos de integração positiva que têm trazido ótimos resultados.