sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Sindicalistas partem para o ataque pessoal contra a secretária Betania Ramalho


Inconformados com a adesão de apenas 10% dos professores à greve, que até o momento não se consolidou, os dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação partiram para o ataque pessoal à secretária Betania Ramalho. Nas redes sociais, dirigentes sindicais estão levantando questionamentos sobre suposta acumulação de cargos da secretária, distribuindo inclusive a imagem de seu contracheque na internet.

Sobre o assunto, a Secretaria de Estado da Educação esclarece que:

Betania Leite Ramalho é professora aposentada da Universidade Federal da Paraíba, estado onde nasceu. É viúva do engenheiro e pesquisador da área de energias renováveis, professor José Wilson Lage Nogueira, de quem recebe pensão desde o seu falecimento, em 2011. É professora doutora do Departamento de Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, de onde foi cedida para o Estado, para exercer o cargo de Secretária da Educação.

Faz-se necessário informar que as remunerações da professora pelos vínculos com a UFPB e a UFRN, além da pensão, já atingiam o teto remuneratório constitucional, o que significa dizer que na função de secretária, Betania Ramalho, não teve qualquer acréscimo ao salário pela nova função.

“Costumo dizer que saí do conforto da universidade para dar uma contribuição, em nome da UFRN, à Educação Básica do Rio Grande do Norte. Eu acredito no Ensino Público, até porque estudei a vida inteira em escola pública. Agora estou devolvendo um pouco do que recebi, através dela, buscando melhorar as condições de aprendizagem de milhares de meninos e meninas que, assim como eu, não tiveram condições de estudar no ensino privado”, ressaltou a secretária.

A professora lamenta que o comportamento dos dirigentes sindicais tenha chegado a níveis tão baixos. Para ela, os ataques pessoais que os sindicalistas hoje realizam, buscando desconstruir a imagem de uma pessoa que trabalha há mais de 40 anos para conquistar tudo o que tem, apenas revelam o nível das pessoas que representam a categoria dos professores no Estado. “Atitudes como essas, geradas pelo desespero, são lamentáveis.”

Betania Ramalho acredita que os ataques são uma retaliação ao corte da cessão de professores ao sindicato e à divulgação do valor da consignação que o sindicato recebe anualmente dos professores, repassados pela secretaria. “Já que o assunto é transparência, no lugar de ficar levantando falsas informações para me atacar, o sindicato deveria explicar aos professores em que aplica os R$ 4,5 milhões que recebe anualmente, somente das contribuições dos servidores da Educação do Estado, sem falar das consignações que lhes são repassadas pelas prefeituras.”