segunda-feira, 21 de maio de 2012

Novo sistema corrige distorções no quadro de pessoal das escolas estaduais

A Secretaria de Estado da Educação colocou em funcionamento o seu novo Sistema de Gestão de Pessoal, SAGEP. A ferramenta corrigirá distorções e identificará onde está lotado cada servidor, qual sua função, carga horária, solicitações de licença, readaptações (e seus prazos), férias, aposentadorias, entre outras situações. Ademais, o SAGEP será interligado ao Sistema de Informatização da Educação do Estado, SIGEduc, que a exemplo do SIGAA, da UFRN, mudará a cultura de gestão da SEEC.

De acordo com a coordenadora do Grupo de Processamento de Dados da Secretaria de Educação, Ana Paula Flor, o SAGEP é um sistema inovador, que promove a integração dos técnicos de recursos humanos com as escolas, diretorias regionais de ensino e os demais setores da SEEC. A coordenadora diz ainda que o novo modelo de gestão de pessoas idealizado pela secretária de Educação, Betania Ramalho, necessitava da criação de uma ferramenta apoiada nos recursos das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs).

A partir da ideia inicial, foi feito um extenso trabalho de análise e engenharia, para que tudo funcionasse de acordo com as necessidades da SEEC. Esse trabalho foi concluído em março deste ano e começou a ser colocado em prática com a análise minuciosa do rol das escolas, que é a lista de servidores lotados em unidades da SEEC e fora dela, com suas respectivas funções. Um novo rol está sendo elaborado pelos próprios gestores e técnicos da SEEC e das escolas que participaram de treinamentos durante o mês de abril.

De acordo com a secretária de educação, Betania Ramalho, o SAGEP impõe regras e corrige distorções identificando pessoas fora de lotação; com lotação, mas sem trabalhar; trabalhando menos que a carga horária exigida, mas recebendo como se trabalhasse a carga horária completa; recebendo gratificação sem preencher requisito objetivo para a sua percepção, dentre outros.

“O SAGEP revelou que há um elevado número de professores que deveriam estar em sala de aula, mas estão em desvio de função. Enquanto isso falta professor para as disciplinas que deveriam ser ofertadas aos alunos. O novo sistema veio para corrigir essas distorções e  qualificar a prestação do serviço à população escolar.”, afirmou a professora.

“No momento, a nossa atenção está voltada para a reorganização do rol das escolas, que deve ser concluída até o final de maio. Em médio prazo iremos realizar outras ações, como o acompanhamento de estagiários, a gestão de terceirizados, o controle da freqüência dos servidores e o cruzamento de dados para identificar  o acúmulo de cargos”, completou Betania Ramalho.

A secretária informa ainda que “o objetivo desse reordenamento é qualificar a gestão da Secretaria, otimizando a aplicação dos recursos financeiros e de pessoal a favor de um trabalho eficiente, transparente e focada  em resultados". Segundo ela, a implantação do SAGEP justifica o intervalo para uma nova convocação de aprovados no concurso da Educação.